top of page
  • Paola Antony

Juiz de Paz na Roça

MARTINS PENA

PROGRAMA 1 

Roteiro


 A RADIO EIXO APRESENTA EIXOENCENA


BG   “Mambembe” Chico Buarque (versão Chico e Roberta Sá) 


Narrador (rádio novela) – Olá ouvintes, hoje tem início o programa EIXOENCENA. Uma série de Rádio-Teatro que fará ao longo deste ano, uma homenagem ao Teatro Brasileiro do séc. XIX e ao Teatro de Brasília. Eu sou Tiago de Carvalho e o nosso primeiro autor da série é “MARTINS PENA”. O elenco do projeto EIXOENCENA é formado por mim e pelas atrizes KARLA CALASANS, LÍLIAN ALENCAR, e grande elenco. Neste primeiro programa temos uma cena da peça o “O Juiz de Paz na Roça”.

 

BG - “Tico tico no fubá” de Zequinha de Abreu começa a tocar... com a Orquestra Juvenil da Bahia

 

Narrador (rádio novela) – A peça “O juiz de paz na roça” é considerada a primeira grande comédia brasileira. Aqui Martins Pena vislumbraria um cenário de Brasil, que é um verdadeiro “Tico tico no fubá”. Mas vamos a nossa rádio teatro e a uma cena engraçadíssima. Neste momento a personagem do seu juiz de paz incomodado com o barulho daquela bicharada na roça diz ao escrivão...

 

JUIZ  — Sr. Escrivão, faça o favor de ler.


ESCRIVÃO, (lendo) — Diz Inácio José, natural desta freguesia e casado com Josefa, sua mulher na face da Igreja, que precisa que Vossa  Senhoria mande a Gregório degradado para fora da terra, pois teve o atrevimento de dar uma UMMMMMMBIIIIIGAAAAADAA em sua mulher,


ESCRIVÃO ... na encruzilhada do Pau-Grande, 


ESCRIVÃO ...que quase a fez abortar. Da qual umbigada fez cair a dita sua mulher de pernas para o ar. Portanto, pede a Vossa Senhoria que mande o dito Gregório degredado para O EXÍLIO EM Angola 


ESCRIVÃO Espera receber MERCÊ, ou seja aprovação...

 

Narrador (rádio novela) – e então o Juiz de Paz dirige-se ao senhor Gregório, um lavrador, e na frente do senhor Gregório está dona Josefa, uma lavradora cheia de ódio, e ao lado de Dona Josefa, seu marido, mais um lavrador, este cheio do ódio da sua mulher. Sua mulher a que levou a umbigada, pasmem ouvintes, sabem o que era uma “Umbigada” no séc. XIX, lá vem o Juiz:

 

 JUIZ— É verdade, Sr. Gregório, que o senhor deu uma umbigada nesta  senhora?

 

GREGÓRIO  — É mentira, Sr. Juiz de Paz, eu não dou umbigadas em  bruxas.


JOSEFA — Bruxa é a Maaaaaraaaaaafoooonnaaaaa de tua mulher, malcriado! Já não se lembra que me deu uma umbigada, e que me deixou uma marca roxa  na barriga? Se o senhor quer ver seu Juiz, posso mostrar a marca roxa.


JUIZ — Nada, nada, não é preciso; eu acredito na senhora, valha-me Deus...


GREGÓRIO – o Juiz não quer ver a mancha, pois esta barriga deve ser muito feia... (risos)


JOSEFA — Sr. Juiz, não é a primeira umbigada que este homem me dá;  eu é que não tenho querido contar a meu marido.


JUIZ — Está bom, senhora, sossegue Sr. Inácio José, deixe-se destas asneiras, dar umbigadas não é crime classificado no Código Criminal. Sr. Gregório, faça o favor de não dar mais umbigadas na senhora; quando  não, arrumo-lhe com as leis às costas e meto-o na cadeia. Queiram-se retirar.

 

 

Narrador (rádio novela)- então o senhor Inácio José, o lavrador, tomado de raiva do homem que umbigara sua mulher diz e promete ao outro um duelo, e tem mais, que este pagará com a dor...

 

BG “Tico tico no fubá” de Zequinha de Abreu com a Orquestra Juvenil da Bahia

 

 

TIAGO

 

A comédia “O Juiz de Paz na roça” de Martins Pena conta o enredo  de um juiz safadão e moralmente muito corrupto. É este juiz quem decide os rumos éticos e legais de um vilarejo rural encrustrado no interior do Brasil. Encenada pela Companhia de Teatro do ator João Caetano em 1838, a peça é definida como uma comédia voltada para o ridículo. Pergunta aos queridos ouvintes, e o que ocorrerá no restante das cenas? Leiam leiam e leiam...

 

CANTO DOS TRÊS ATORES (1 SÓ VEZ)

 

Em cima daquele morro

Há um pé de ananás;

Não há homem neste mundo

 Como o nosso Juiz de paz.

 

Se me dás o que comê, 

Se me dás o que bebê, 

E ainda se me pagas 

Vou lá morar com você.

 

Risadas risadas risadas dos atores que dizem 

 

ATORES - “Este juiz de paz é o mais nobre homem brasileiro” 

 

BG “Valsa do Minuto" de fundo de Frederic Chopin

 

KARLA

 

A música que vocês ouvem ao fundo é de Frederic Chopin, da mesma época de nosso dramaturgo: o pai da comédia brasileira, o senhor Luís Carlos Martins Pena. Homem de talento cômico incomum, que entre 1830 e 1850 produziu mais de vinte comédias, um  dos fundadores da nossa dramaturgia.

 

LÍLIAN

 

O funcionário  público Martins Pena, adido cultural do Brasil em Londres, filho de uma típica família carioca de poucas posse, hoje não só figura no cenário dos maiores dramaturgos brasileiros, como é a fonte primordial da   nossa literatura do séc. XIX. Herdeiro de Plauto, de Gil Vicente e  de Moliére, Martins Pena se tornou o nosso mais importante escritor da Baixa Comédia.

 

TIAGO

 

Divertiu o Brasil em pleno cenário romântico da nossa arte e cultura. Criador da  tradição do Quid Pro Cod (quiprocó), as confusões da cidade e do campo. Martins Pena que dá nome a uma das principais salas de teatro da capital federal, Brasília, é o fundador das comédias farsescas que fizeram dele o  homem que primeiro riu dos tipos e costumes de um  Brasil que nascia após a Independência. 

 

KARLA

 

O juiz corrupto, a namoradeira, o espertalhão, o menino religioso e o jovem profano, o pai tradicional, e a mãe submissa, as  festas, os bailes, as dissimulações, as crises morais, o campo e a cidade, as comparações insidiosas, a sutil crítica ao falso moralismo eram o retrato do Brasil Escravocrata em que viveu.

 

LÍLIAN

 

Foi com esse nosso primeiro teatro já como dramaturgia de nossa crise social e diferenças, que Martins Pena trouxe ao palco a cena nacional, e se debruçou e se deliciou para fazer a Corte dos Pedros rir como nunca. Suas personagens podiam elegantemente dizer: um “Vossa Mercê” vultuoso nobre, ou nos trazer um palavrão do século                                                        XIX como “Marafona” sabem o que significa ser uma  marafona? Uma puta talvez, ou uma mulher sem modos e sem jeito...

 

TIAGO

E assim encerramos o primeiro episódio na nossa série: o Teatro de Martins Pena. Na próxima semana teremos uma cena da peça “O Noviço”. Agradecemos o prestígio e a paciência da querida  e do querido ouvinte por terem se colocado com atenção no nosso programa EIXOENCENA.

 

KARLA

O  programa EIXOENCENA é  parte do projeto RÁDIO TEATRO, OS FUNDADORES DO TEATRO BRASILEIRO E O TEATRO DE BRASÍLIA  realizado com recursos do FUNDO DE APOIO À CULTURA DO DISTRITO FEDERAL e como se diz no bom e velho teatro fiquem bem e

OS TRÊS ATORES JUNTOS: “MERDA PRA TODOS”


A RÁDIO EIXO APRESENTOU EIXOENCENA


BG “Mambembe” de Chico Buarque na versão original


 


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page